quinta-feira, 11 de junho de 2009

Casus belli Xadrezístico

A pedido de vários “gatos” do Alekhine, aqui fica a partida escolhida do Campeonato Interno.

À 6ª ronda do GXA Interno (7 no total) jogou-se a partida entre o líder John Simões com 4,5p, e eu com 4p. Os terceiros tinham 3,5p. Para mim era a partida decisiva se queria ganhar o torneio. Tinha portanto um casus belli xadrezístico contra o bi-campeão, e teria de ser agressivo, o empate de nada servia.

A partida também é bonita pela sua trágica fatalidade depois do lance 18. h4 das brancas que conduz a uma variante forçada, honra seja feita ao meu valoroso adversário. Que fez um bom torneio, sendo esta a sua única derrota.

Não me esqueço das sábias palavras do Alberto Eggert, no fim-de-semana decisivo para o GXA subir à I div Nacional: “Temos de ser humildes. O Xadrez é mais uma luta contra nós próprios, do que contra os adversários.”

Rato do Alekhine


1 comentário:

aleg disse...

Belo ataque, tenaz defesa: final antecipada.
Parabéns mais uma vez ao Hugo, assim dão "gosto e prazere" estas coisas do Xadrez.

Ao falar sobre a humildade, Hugo, fizeste-me compreender uma coisa na que antes eu não tinha reparado. Mas primeiro direi sobre
a minhas "sábias" palavras, caro Hugo, aquilo da luta connosco próprios não sei se é a definição do Xadrez, mas sim é a realidade de muitos jogadores, entre os que me incluo, que ao não termos uma base sólida quanto a todas as fases do jogo, com os nossos numerosos erros como se fossemos também rivais de nós mesmos. E assim, por vezes no tabuleiro se produz uma típica desigualdade: eu-jogador contra o rival, mais contra mim próprio, a minha própria confusão.
Parece uma obviedade, e é! Só que nem sempre somos conscientes dela...
Agora a questão da Humildade, só agora estou a compreendê-lo, no caso do Xadrez, assim como também deve ser na Vida, é um estado indispensável, mas não é por apariência (que costuma enganar), nem é por não querer ferir sensibiliades que é preciso ser humilde. Não. A humildade (a que eu pessoalmente muitas vezes perco), é necessária e essencial, porque ajuda-nos a sermos OBJECTIVOS. Quanto mais humilde se é, mais objectivamente tomaremos as decisões.
Logo tudo ficará onde tem de ficar.
Obrigdao Hugo por me teres feito pensar.