terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Adeus a Sandro

Trás várias cirurgias (duplo transplante de coração e pulmões), morreu ontem um dos maiores românticos da canção popular argentina. Morreu Sandro. El Gitano...
As mulheres de todas as idades imagináveis ficavam desesperadas (malucas!) só com ouvir as suas apaixonadas representações.
Fica aqui uma homenagem a um grande da música popular latino-americana.

3 comentários:

Rini Luyks disse...

O ano começa triste, Alberto.
Morreu também a cantora Lhasa de Sela, uma voz muito querida (post nos "Anacruses").

aleg disse...

Olá, Rini_
é verdade, é muito triste quando uma vida acaba na sua plenitude.
Acabei de escrever isto (e ao mesmo tempo morreram X pessoas). Fechei o parêntese, e faleceram tantas mais. Também nasceram!
"A morte de uma pessoa é uma tragédia. A morte de milhões, estatística", disse algum sábio.
Deve ser por isso que certos malucos e alguns poetas ultrapassam essa tristeza, chegando ainda mais longe, chegando à melancolia. Para uns é um agravamento da sua depressão e para os outros a melancolia não é outra coisa que...
a alegria de estar triste.

Rini Luyks disse...

Ontem num autocarro cheio lembrei-me daquela música "Com toda palabra" de Lhasa que pus no blogue.
Entrou uma velhina com uma mala de mão. Um jovem sujeito cedeu "gentilmente" os seu lugar e saiu na próxima paragem. Uns minutos depois a velhinha descobriu que tinha a mala aberta e sem carteira com passe, dinheiro e documentos.
E pensei: algumas pessoas não deviam morrer tão cedo, outras nem deviam nascer...