segunda-feira, 14 de setembro de 2009

"Sobre a nudez crua da Verdade, o manto diáfano da Fantasia"




O caro visitante "Dervich" descobriu a resposta à "adivinha cultural" de anteontem: é uma estátua do Mestre Teixeira Lopes de 1903, representando o escritor Eça de Queiroz "estendendo sobre a Verdade o ténue manto da Fantasia".
Não seria também uma bela máxima para aplicar no jogo do xadrez!?

1 comentário:

aleg disse...

Quiçá esta seja a Verdade "Verdadinha", até porque mesmo que seja "crua", não dói, senão que, coberta pelo manto da Fantasia, faz que os que queiram sempre ir mais profundamente, continuem na sua procura... É comum que muitos digam, bem satisfeitos com a descoberta, especialmente numa discussão:
"A Verdade dói, irmão", querendo com isso acentuar a gravidade do erro adversário, aumentando-lhe assim a "dor"... Mas, de repente, a luz se pousa sobre alguns corações, e logo nasce uma refutação daquela Verdade que castiga, dando-lhe o tão necessário alívio:
"A Verdade dita sem Amor, é Mentira."