quarta-feira, 9 de novembro de 2011

“Existem dois tipos de sacrifícios: os correctos e os meus.”( Mikhail Tal)-75º aniversário!!

MF Roman Chemeris


Mikhail Nekhémievich Tal,
Nascido 9 de Novembro de 1936, em Riga.
Morreu em 28 junho de 1992 em Moscovo.
Oitavo campeão mundial (1960).
Tal foi o último romântico do xadrez. Sua aparição no xadrez ocorreu durante o reinado de Botvinnik e Smyslov que representavam a escola do jogo posicional.


Dotado de uma memória fenomenal e imaginação sem limites, Tal joga contra jogadores “alfabetizados” no jogo posicional e armados com o conhecimento do século XX, no estilo dos antigos mestres! Ignorando os cânones estabelecidos, ele facilmente destrói fortalezas inexpugnáveis. Tal não calculava as longas variantes, ele simplesmente via tudo através delas...


Sua aparição na elite aconteceu num momento muito oportuno. No final dos anos 50 o mundo do xadrez estava literalmente com as mãos e pés atados pelas regras estritas do jogo posicional de Botvinnik, quem preconizava um método lógico e planificado. 
Os treinadores e professores, influenciados pelos resultados da competição de elite mundial, ensinavam os seus alunos a jogar um xadrez "correto"...   Mas de repente chegou um jovem brilhante e cheio de talento que ignorando todas as regras, bateu todos os gigantes do pensamento!
Foi uma revolução, uma autêntica revolução! O jovem Tal colocava aos seus adversários problemas de extrema dificuldade, usando para isso combinações muitas vezes incorrectas. A estratégia do bluff deu-lhe certamente uma grande percentagem de vitórias. Como foi dito nesses anos, “os adversários do Tal lhe ganham sempre, sempre ... mas ganham é na análise, após o jogo! ".
Em 1960, com apenas 24 anos de idade, Tal derrotou o grande estratega Botvinnik no famoso match pelo Campeonato Mundial. Mesmo após ter "devolvido a coroa", durante toda a sua vida Tal continuo a ser considerado um génio do xadrez.

É importante ressaltar que, desde o início dos anos 60, isto é, a partir dos seus 25 anos, Mikhail Tal já não era o de antes, chegando a estar com todos os seus adversários em grande desvantagem, pois jogava doente! Por vezes apresentava melhoras na doença, mas nunca mais esteve na máxima força que era exigida a um jovem ex campeão do mundo.  A revista "Xadrez" da União Soviética sabia que Mikhail Tal ia ter uma operação séria que podia correr mal e preparou um elogio de despedida para a página de necrologia. Mas, ao contrário das expectativas, o paciente sobreviveu. Alguns amigos mostraram-lhe o texto. Tal leu e achou que estava bem e devolveu-o para a redacção com sua assinatura.

O que é particularmente marcante em Tal é o seu incrível amor pelo xadrez.



Certamente, Mikhail Nekhemievich não deixou grandes inovações dentro da teoria das aberturas, pois era um prático puro! O tesouro principal que nos deixou foi uma infinidade de combinações para todos os gostos.
De 16 a 25 Novembro de 2011 vai realizar-se em Moscovo mais um memorial Mikhail Tal. Com os seguintes participantes: Carlsen(2823), Anand(2817), Aronian (2807), Kramnik (2791), Karjakin (2772), Ivanchuk (2765), Nakamura (2753), Gelfand (2746), Svidler (2740), Nepomniachtchi (2718).


Tal,Mihail - Portisch,Lajos [B11]
Candidates qf1 Bled (2), 1965
B11: Caro-Kann: Two Knights Variation
1.e4 c6 2.¤c3 d5 3.¤f3 dxe4 4.¤xe4 ¥g4 5.h3 ¥xf3 6.£xf3 ¤d7 7.d4 ¤gf6 8.¥d3 ¤xe4 9.£xe4 e6 10.0–0 ¥e7 11.c3 ¤f6 12.£h4 ¤d5N 13.£g4 ¥f6 14.¦e1 £b6 15.c4! ¤b4




16.¦xe6+! fxe6 17.£xe6+ ¢f8 [17...¢d8!] 18.¥f4 ¦d8 19.c5 ¤xd3! [19...£a5? 20.¦e1!+-] 20.cxb6 ¤xf4 21.£g4 ¤d5 22.bxa7 ¢e7? [22...g6!] 23.b4!! ¦a8? [23...¤c7!?] 24.¦e1+ ¢d6 25.b5 ¦xa7 [25...¦hd8 26.b6 ¤xb6 27.£f4+ ¢d7 28.¦b1] 26.¦e6+ ¢c7 27.¦xf6! 1–0







" Tal, como dizem, "veio, viu e venceu" ... Impactou a todos com o seu talento de combinações, a sua intuição extraordinária e uma memória fenomenal.” A.Karpov.



2 comentários:

Rini Luyks disse...

Ou seja: morte aos computadores!

Albertus disse...

É dizer: pelo menos, no xadrez..:)
É de louvar a labor do autor deste artigo (ou melhor dito, uma cópia autorizada), o MF Roman Chemerys.